Home - Vale da Fé - Pastor pede por novo holocausto: “Deus, massacra eles! Malditos sejam...

Pastor pede por novo holocausto: “Deus, massacra eles! Malditos sejam os judeus!”

25 de junho de 2020

Pastor pede por novo holocausto: “Deus, massacra eles! Malditos sejam os judeus!”Pastor Tupirani da Hora Lores – Foto: Divulgação

O líder da Igreja Pentecostal Geração Jesus Cristo, no Rio de Janeiro, o pastor Tupirani da Hora Lores, um indigesto personagem do submundo religioso no Brasil, causou polêmica nesta semana após pedir, durante culto, que Deus “massacre” os judeus da mesma forma que foi feito na 2ª Guerra Mundial.

“Deus da igreja, massacra eles. Que sejam envergonhados como na Segunda Guerra e não consigam forças para levantar. Malditos sejam os judeus, que cuspiam e continuam assassinando Jesus Cristo até hoje”, disse Tupirani.

“Pisa-os como vermes que são. Está escrito, nem judeu, nem grego, nem troiano. Para Deus, o que importa é uma nova criatura”, continuou o pastor, que já foi condenado por intolerância religiosa.

A fala causou revolta na comunidade judaica brasileira, que apresentou uma denúncia contra o pastor na Polícia Federal através da organização Sinagoga Sem Fronteiras, segundo a revista Fórum.

Auto-proclamado “o último Elias”, Tupirani se descreve como o primeiro pastor preso pela ditadura democrática no Brasil.

Linguajar chulo, palavrões, queima de símbolos religiosos, maldições, interpretações duvidosas da Bíblia, discursos de ódio, oposição à sociedade e suas instituições, xenofobia, intolerância religiosa, homofobia, misoginia, marcam suas ‘celebrações’ e as bandeiras de sua Igreja.

Segundo o jornal EXTRA, em matéria de 2009, o pastor foi preso preventivamente – junto com seu fiel seguidor, Afonso Henrique Alves Lobato, de 26 anos à época – , por crimes de intolerância religiosa, injúria qualificada e incitação ao crime, após gravar vídeos ofensivos.

Os dois foram enquadrados no artigo 20 da lei 7.437, de 1985 (Lei Caó), que trata de preconceito contra raça, cor e religião, crimes inafiançáveis, com pena prevista de dois a cinco anos de prisão. Afonso e mais três jovens da mesma seita já haviam sido condenados por invadir e depredar um Centro Espírita, em 2008.

Já tendo sido condenado no Supremo à pena de 3 anos de reclusão, em regime aberto por praticar e incitar discriminação religiosa, Tupirani não para.

Nas redes, um vídeo do pastor pregando o Holocausto e pedindo para Deus massacrar os judeus, viralizou. Abaixo, outro vídeo do ‘último Elias’, com forte teor homofóbico.

Valedoitaúnas



banner
banner